sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

"Sinto a Tua Falta" de Harlan Coben [Opinião]


É com grande orgulho que anuncio que este é já o 10º livro que leio do autor americano Harlan Coben. É um dos meus autores preferidos da atualidade e, sem dúvida, aquele que mais gosto dentro do género thriller.

Sinto a Tua Falta acompanha a história de Kat Donovan, uma mulher marcada pelos acontecimentos do seu passado: foi abandonada pelo noivo e o seu pai foi assassinado.
Passados 18 anos, esses acontecimentos ainda a assombram. O homem condenado pelo assassinato do pai está prestes a morrer e Kat duvida da sua culpa. Ao mesmo tempo, quando observa os perfis de um site de encontros amorosos, depara-se com a fotografia do noivo que a abandonou.

É assim que se inicia uma investigação que vai envolver Kat numa conspiração terrível. Embora esteja disposta a fazer tudo para descobrir a verdade, Kat pode não estar preparada para remexer no passado.

(adoro o contraste do preto e do vermelho na capa)

Este talvez não tenha sido o livro do autor que mais me cativou e me fez virar páginas, porém confesso que tenho andado cansada e com pouca disposição para leituras, e talvez isso tenha influenciado.

O enredo é cativante e a escrita muito dinâmica, como Coben já nos habituou. Há uma procura por segredos que não permaneceram enterrados no passado e, enquanto vasculha, Kat vai ver-se rodeada de problemas.

Paralelamente, existe uma rede criminosa que opera através da Internet e que acabará por se atravessar no caminho da personagem principal.

O final é extremamente bom, contado na perspetiva de várias personagens, o que aumenta no leitor a sede de desvendar tudo. Houve uma cena particularmente violenta que me deixou boquiaberta e, em simultâneo, enojada, de tão bem descrita que estava.

E, tal como também é hábito neste autor, quando pensamos que a história terminou e suspiramos de alívio, eis que surge mais uma reviravolta mesmo no final do último capítulo. Para mim, esta já não foi surpresa, pois já tinha pensado nessa possibilidade, mas apreciei a explicação.

Em suma, parece-me uma excelente escolha para fãs de thrillers. Caso ainda não conheçam o autor, experimentem!

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Palavras Sentidas


"Uma parte considerável de se ser mãe ou pai consiste em fingir disposições que não são inteiramente sentidas."

Reino de Feras
Gin Phillips

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Palavras Sentidas


"Quando amamos, desejamos fazer alguma coisa por aquilo que amamos. Desejamos sacrificar-nos, desejamos servir."

O Adeus às Armas
Ernest Hemingway

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Desafio]


Terminada a primeira leitura do ano no âmbito do empréstimo surpresa - Apenas um Desejo - aqui está o desafio referente a este livro:

DESAFIO:

Será que também pedes desejos?

Charlie Reese costumava pedir sempre o mesmo desejo em algumas situações específicas. Ela associava determinados acontecimentos do seu dia-a-dia a uma oportunidade para pedir algo que quisesse que acontecesse com ela.

E tu, tens ou já tiveste alguma superstição deste género? Em que situações pedias um desejo? Que desejos pedias ou pedes?

A MINHA RESPOSTA:

Este desafio é engraçado porque me deixou a pensar na minha infância e adolescência e nesta questão dos desejos.
Sinceramente, não me recordo se costumava pedir desejos na infância. É possível que sim, tal como deve acontecer com todas as crianças, mas não tenho nenhuma memória específica.
Em contrapartida, recordo-me de, durante a adolescência, ter tido uma «pancada» com aquelas pulseiras dos desejos, ou pulseiras da sorte (ver imagem). Ficava doida quando as encontrava à venda nas festas, nas barracas dos chineses, e queria sempre adicionar mais alguma à minha coleção. Andava sempre com os pulsos cheios delas.
O que se dizia era que devíamos pedir um desejo no momento em que atávamos a pulseira com um nó cego e, supostamente, o desejo realizar-se-ia quando a pulseira rebentasse por si.
Não faço ideia se funcionava ou não porque nunca nenhum dos meus desejos se concretizou. E, olhando para trás, ainda bem que isso não aconteceu, pois a maior parte dos meus desejos relacionava-se com os rapazes de quem eu gostava na altura.
Agora sou mais crescida e bastante mais cética em relação a desejos. Há, contudo, um desejo novo que pedi recentemente, mas se o contar, ele não se concretiza, não é? :D

Gostei muito do desafio, Silvana! Agora chegou o momento de eleger o teu próximo livro!


domingo, 11 de fevereiro de 2018

"Apenas um Desejo" de Barbara O'Connor [Opinião]


Apenas um Desejo é a história de Charlie, uma menina que se muda para uma cidade do interior, onde vai viver com os tios. Tem apenas 11 anos e precisa de se adaptar a uma nova realidade.

A história é contada na voz de Charlie, doce e cativante, e é através das suas palavras que vamos acompanhando todas as suas peripécias, desejos e receios. É uma criança cheia de garra, com bastante perceção daquilo que se passa na sua vida e de que isso não é muito comum na vida das crianças.
Charlie acredita em desejos e aproveita todas as oportunidades para pedir o seu maior desejo. É persistente, nunca deixa de acreditar e o leitor permanece agarrado à história à espera que o seu desejo se concretize.

Bertha e Gus são um casal verdadeiramente ternurento. Não tiveram filhos, mas conseguem tomar conta de Charlie, dando-lhe toda a compreensão e amor que ela precisa. Em suma, tornam-se para ela uma verdadeira família.


Depois existe o Howard, um menino encantador, que aceita os seus defeitos e lida bem com eles, mesmo que os outros nem sempre sejam simpáticos com ele. Tem uma família numerosa, barulhenta e cheia de amor e adorei todas as interações com Charlie. Senti-me como se realmente pertencesse ali.

Esta é uma história ternurenta e que me tocou o coração. Uma história que nos fala de coragem, resistência e persistência e que nos ensina uma grande lição acerca dos nossos desejos: nem sempre aquilo que mais desejamos é o que nos torna mais felizes.

Classificação: 4/5 estrelas

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

"Deixa-me Odiar-te" de Anna Premoli [Divulgação]

Título Original: Ti prego lasciati odiare
Autora: Anna Premoli
Edição: 2015
Editora: Noites Brancas
Páginas: 312
PVP: 15,00€

Podemos dizer não ao verdadeiro amor?
O que fazer quando as aparências nos enganam.

«Este romance confirma uma certeza: nunca devemos subvalorizar o ódio profissional. (...) O maior destaque vai para a sua escrita fresca e cativante.»
Corriere della Sera

«Bom humor, sentimentos românticos e uma mensagem positiva: um romance anti-depressão.»
Il Messaggero

«Anna Premoli é a autora sensação da comédia romântica.»
Vanity Fair

Sinopse:

Jennifer e Ian conhecem-se há sete anos e nos últimos cinco só têm discutido. Chefes de duas equipas no mesmo banco, entre eles sempre houve um confronto aberto e declarado. Detestam-se e dificultam a vida um ao outro. Até que um dia são obrigados a cooperar na gestão da conta de um cliente aristocrata e abastado.

Ian é o solteiro mais fascinante, rico e ambicioso da cidade e as suas companhias nunca passam despercebidas. Um inocente jantar de trabalho é o suficiente para serem notícia na coluna cor-de-rosa de um conhecido jornal. Ela está furiosa: como podem tê-la associado a um vaidoso e arrogante como Ian? O mexerico, no entanto, dá a Ian uma ideia arriscada. Se Jennifer aceitar fingir ser a sua namorada, ele dar-lhe-á carta branca no projeto.

Desafio aceite, começa o jogo! No entanto, o que para Jennifer era uma brincadeira revela-se mais complicado do que o previsto, e um beijo, que deveria fazer parte da encenação, desencadeia reações completamente inesperadas.

Sobre a autora:

ANNA PREMOLI  nasceu em 1980 na Croácia. Ainda criança, mudou-se para Milão, onde mais tarde se licenciou em Economia dos Mercados Financeiros, na Università Commerciale Luigi Bocconi. Esteve na J. P. Morgan e, desde 2004, trabalha no Private Banking de uma instituição provada, na qual é consultora financeira e gestora fiscal. A Matemática sempre foi o seu forte, e a escrita entrou na sua vida por acaso, como «método antistresse» durante a primeira gravidez. O romance Deixa-me odiar-te foi publicado inicialmente em ebook e entrou de imediato para o top dos livros mais procurados, transformando-se num fenómeno do passa-a-palavra. A posterior edição em livro foi um êxito de vendas, distinguida ainda com o Prémio Literário Bancarella.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Palavras Sentidas


"Às vezes escutar é a única maneira de um miúdo descobrir o que realmente se passa neste mundo que os adultos tanto escangalham."

A Escada de Corda
Nigel Richardson

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Dia Mundial da Luta Contra o Cancro

Hoje, com a ajuda da WOOK, podemos contribuir para uma causa importante.

10% do valor das encomendas feitas hoje, dia 4, reverte para o IPO-Porto.

A encomenda terá 10% de desconto imediato e os portes são grátis para Portugal.

Cliquem na imagem e ajudem o IPO.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Livro do Mês: Janeiro

Aqui está o balanço literário do primeiro mês do ano.

Estes foram os livros que me acompanharam ao longo do mês:


Foram leituras diversificadas, desde o clássico ao infanto-juvenil e que me cativaram umas mais que outras. Nenhuma das leituras foi completamente arrebatadora, mas todas elas tiveram os seus pontos positivos.

Assim, este mês vou eleger um romance português, de uma autora bastante acarinhada pelos leitores e que merece ser lida. Apostem nele!

LIVRO DO MÊS

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Aquisições: Janeiro

Chegamos ao fim do primeiro mês do ano e aqui estão os livros que chegaram cá a casa este mês.

- Dois livros emprestados; o da esquerda já está lido e em breve poderão ler a opinião.

EMPRÉSTIMO


- Da editora Clube do Autor chegou esta simpática oferta e com uma capa lindíssima. Muito obrigada! Sei que nem sempre sou rápida a ler os livros que me oferecem, mas tentarei realizar a sua leitura e partilhar a opinião assim que me for possível.

OFERTA EDITORA


- Usei os meus pontos no site Winkingbooks para pedir estes dois livros da coleção Sherlock Holmes; tenho-a quase completa.

WINKINGBOOKS


E o vosso mês, como correu em termos de aquisições?

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Palavras Sentidas


"- Ninguém consegue fazer os outros felizes, são eles que têm de o conseguir sozinhos."

A Promessa
Lesley Pearse

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]

Recebi o primeiro livro do ano, enviado pela Silvana, para dar continuidade ao nosso empréstimo surpresa.

Aqui está o livro recebido:


Desta vez, ela disse-me que me ia enviar uma leitura rápida. Eu tive algumas suspeitas mas acabei por não conseguir adivinhar que livro seria. Assim, abri o envelope e fui surpreendida com este livro, cuja leitura está a ser uma autêntica doçura.

Obrigada Silvana!
Passem no blog dela para conhecerem os motivos de me ter enviado este livro.

sábado, 27 de janeiro de 2018

"Limões na Madrugada" de Carla M. Soares [Opinião]


Limões na Madrugada é o mais recente trabalho da autora Carla M. Soares, publicado no final do ano passado. Da autora, já li Alma Rebelde e A Chama ao Vento. Ainda me falta ler O Cavalheiro Inglês e O Ano da Dançarina, o que farei assim que surgir oportunidade.

Comprei este livro no Natal para poder começar o novo ano a ler em português e também porque acho importante apoiarmos os nossos autores.

A autora tem-se destacado pelos seus romances históricos e de época, e agora apresenta-nos uma história num registo diferente, mais contemporâneo.
Apresenta-nos Adriana, que vive na Argentina, terra da sua mãe. A sua família paterna vivia no Porto, local onde nasceu. Quando recebe uma pequena herança, os últimos quadros que o seu tio pintou, regressa a Portugal para os vir buscar e conhecer a casa da sua família, assim como a sua história e os seus segredos.


Quando se inicia a leitura deste romance, é impossível o leitor não reparar de imediato na escrita sublime da autora. Uma escrita lindíssima, trabalhada mas deliciosa de ler, com um toque próprio da autora.
Ainda não li os dois romances históricos anteriores a este, mas sem dúvida que se nota uma evolução enorme, em comparação com o primeiro livro publicado.

Em capítulos pequenos, de leitura muito agradável, a autora vai desvendando o passado e o presente de Adriana, oferecendo-nos, aos poucos, a história desta mulher um pouco reticente em desvendar o passado da sua família. Também conhecemos os seus amigos, Chloe e Javier, e a sua família.

A autora foi mantendo o mistério até ao fim, cativando o leitor até que finalmente descobrimos o que de tão terrível aconteceu no seio daquela família e o que terá levado os pais de Adriana a fugir à pressa para a Argentina. Infelizmente, é uma temática muito atual ainda nos dias de hoje.

Adorei o pormenor dos limões, o seu significado e consegui, por várias vezes, imaginar o seu aroma ao longo da leitura. Li em algumas opiniões que houve quem não gostasse do título, mas eu gosto imenso. Parece-me um título elegante, que combina na perfeição com a escrita da autora e com a história desta páginas.

O final ficou em aberto, algo que não costumo gostar muito que aconteça. Porém, dá-nos também a possibilidade de imaginar como teria continuado a vida de Adriana e eu escolho acreditar que ela conseguiu voltar para os braços de Javier. Sou uma romântica, é verdade.

No geral, foi uma leitura agradável e que aconselho vivamente, quer conheçam ou não as obras desta autora. Se não apreciam romances históricos, podem experimentar este que é mais contemporâneo.

Classificação: 4/5 estrelas